Guia de Doenças e Tratamentos

Quando se conhece melhor as diferentes doenças e seus tratamentos torna-se mais fácil o diálogo com o médico, entendendo suas orientações e conseqüentemente abreviando o tempo do tratamento.

As informações contidas neste site são destinadas ao público brasileiro e têm caráter informativo, não devendo ser usadas para incentivar a automedicação ou substituir as orientações médicas. O médico deve sempre ser consultado a fim de prescrever o tratamento adequado.

 

Letra C

Câncer de Mama

O que é o câncer de mama?

O câncer de mama é o responsável dentre os cânceres pelo maior número de óbitos em mulheres. Seu impacto é enorme tanto com relação a seu grau de letalidade como em relação as alterações da sexualidade, auto-imagem e auto-estima, bem como gastos importantes relativos ao tratamento e perda da produtividade destas mulheres.

Embora sejam raros os casos abaixo de trinta e cinco anos, após essa faixa, o aparecimento de novos casos aumenta progressivamente, tanto em países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), entre as décadas de 60 e 70 houve um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência da doença, sob influência de diversos fatores, sobretudo o aparecimento de melhores sensos e notificações, mas também os diversos hábitos contemporâneos.

Segundo a Sociedade Americana de Cancerologia, uma em cada dez mulheres tem probabilidade de vir a desenvolver um câncer de mama.

Embora alguns fatores de risco tenham sido já identificados, como história familiar, uso freqüente (constante) de álcool, menopausa e gravidez tardia, ainda é a detecção precoce do câncer o melhor fator para impedir o quadro evolutivo desta doença.

Os três meios mais importantes de detecção são a mamografia, recomendada com variações de tempo, dependendo da idade; o exame clínico por profissional de saúde, insubstituível em seu poder de avaliação e o auto-exame da mama, que pode ser feito em casa, mensalmente, e mostrou ser eficaz na detecção de tumores menores e com menos afecção de gânglios circunvizinhos.

Em mulheres que praticam o auto-exame de mama, demonstrou-se que o tempo de sobrevida em cinco anos foi 18% maior no grupo quem pratica corretamente o auto-exame.

Após o diagnóstico, começa a difícil fase do tratamento, onde embora estejam depositadas as possibilidades de cura e de uma qualidade de vida melhor e mais digna, a mulher encontra dúvidas, ansiedades, medos, e o desconforto muitas vezes presente das manipulações cirúrgicas, radiológicas e medicamentosas.

Colesterol

O que é o colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura (lipídio) encontrada naturalmente em nosso organismo, fundamental para o seu funcionamento normal. O colesterol é o componente estrutural das membranas celulares em todo nosso corpo e está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração. Nosso corpo usa o colesterol para produzir vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Em média, 70% do colesterol é fabricado pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% vêm da dieta.

Por que é importante entender o colesterol?

Quando em excesso (hipercolesterolemia), o colesterol pode se depositar nas paredes das artérias, que são os vasos que levam sangue para os órgãos e tecidos, determinando um processo conhecido com aterosclerose. Se esse depósito ocorre nas artérias coronárias, pode ocorrer angina (dor no peito) e infarto do miocárdio. Se ocorre nas artérias cerebrais pode provocar acidente vascular cerebral (derrame).

Portanto, o colesterol alto é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Quais são os tipos de colesterol?

De uma maneira simplificada, existem dois tipos de colesterol no sangue.

O LDL colesterol (Low Density Lipoprotein), também chamado de "mau" colesterol, quando em excesso, pode se depositar nas paredes das artérias e corresponder a 75% do total do colesterol em circulação. Quanto maior o LDL-C, maior o risco de problemas.

O HDL colesterol (High Density Lipoprotein), também chamado de "bom" colesterol, transporta o colesterol das células para o fígado, eliminando-o pela bile e fezes. Fornece proteção contra a arteriosclerose e, quando o seu nível está baixo, o risco de doença cardiovascular aumenta.

Quais os níveis adequados de colesterol no sangue?

Lípides Valores Categoria CT < 200 Ótimo 200-239 Limítrofe >= 240 Alto LDL-C <100 Ótimo 100/129 Desejável 130-159 Limítrofe 160-189 Alto >= 190 Muito alto HDL-C <40 Baixo >60 Alto TG <150 Ótimo 150-199 Limítrofe 200-499 Alto >=500 Muito alto

Quais são as causas do aumento do nível de colesterol?

Existe uma série de fatores que promovem elevação do colesterol. Alguns são modificáveis, pois relacionam-se ao estilo de vida do indivíduo (dieta ou exercício, por exemplo). Outros são inerentes e não podem ser modificados (hereditariedade).

Quais são os alimentos que produzem aumento de colesterol?

Só encontramos colesterol nos alimentos de origem animal, que são ricos em gorduras do tipo saturada. Assim, o colesterol está presente em todas as carnes e seus derivados, frutos do mar, gema de ovo, leite e seus derivados.

Outras fontes de gordura saturada:

Alimentos industrializados: bolos, biscoitos, chocolates, tortas, sorvetes.

Alimentos vegetais: côco, banha de côco, azeite de dendê.

As gorduras insaturadas ajudam a diminuir o colesterol sanguíneo, mas por serem muito calóricas devem ser consumidas com cuidado. Estão presentes nos óleos vegetais (oliva, canola, soja, milho e girassol), nozes, avelãs, abacate e margarinas.

Alimentos de origem vegetal não contém colesterol.

Alguns fatores que você pode controlar

Exercícios

Exercícios aeróbicos são uma forma de aumentar o HDL-C e reduzir o LDL-C, perder peso e controlar a pressão arterial.
Discuta com o seu médico qual é o melhor exercício para você.

Dieta balanceada

O excesso de peso, especialmente a gordura abdominal (barriga), aumenta uma outra substância gordurosa chamada triglicérides. Além disso, reduz o nível de HDL-C e aumenta o LDL-C.

Peso

O excesso de peso tende a aumentar o seu nível de LDL ("mau") colesterol. A perda de peso pode ajudar a diminuir o LDL-C e aumentar os níveis de HDL ("bom") colesterol.

Fatores que você não pode controlar:

Sexo

Homens têm maior risco de apresentar colesterol elevado do que as mulheres. Mas, depois da menopausa, o LDL-C da mulher aumenta e o HDL-C diminui.

Idade

O colesterol aumenta com a idade. Nos homens isso ocorre a partir dos 45 anos e nas mulheres, a partir dos 55 anos.

Hereditariedade

Os genes podem influenciar o nível do LDL ("mau") colesterol através da velocidade com que o mesmo é produzido e removido do sangue.

Será que o meu nível de colesterol é alto?

Normalmente, a elevação dos níveis do colesterol não provoca sintomas. O primeiro sinal pode ser um ataque do coração. A única forma de saber o seu colesterol é através de exame de sangue. Pergunte ao seu médico

Como posso controlar o meu colesterol?

Através de uma alimentação balanceada, da perda de peso (se você for obeso) e da realização de exercícios físicos você estará colaborando para que o seu colesterol esteja dentro dos níveis normais. Lembre-se, entretanto, que qualquer orientação deve ser dada somente por um médico.

Apesar de tudo, eventualmente, o colesterol pode permanecer elevado. Poderá então ser necessária a administração de algum medicamento redutor de colesterol, que somente poderá ser prescrito pelo médico.

Por quanto tempo o tratamento deve ser feito?

De forma semelhante a de outros problemas crônicos, como diabetes e hipertensão, o tratamento das alterações do colesterol deve ser mantido por toda a vida. Tanto os cuidados com a alimentação e exercícios, como o uso de medicamentos, deverão ser empregados por tempo indeterminado.